Episódio 17: #PerkXmas – Como montar uma árvore é como escalar uma montanha

Bem-vindos ao primeiro episódio do #PerkXmas, os episódios que vão sair até ao dia de Natal com histórias e memórias aqui da pequenita. Aventurem-se e, acima de tudo, divirtam-se!

Chegaram as idas atarefadas ao shopping para comprar os miminhos para aqueles que mais gostamos e para o amigo secreto (sempre uma boa surpresa!), as luzes, as cores e, claro, toda a decoração alusiva à época natalícia.

Lembro-me da cerimónia que era montar uma árvore de Natal.

Em minha casa, desde sempre,a árvore de Natal tinha de estar carregadinha de luzes de mil cores (onde metade nunca funcionava, lógico), com bolas e enfeites de décadas diferentes e fitas das mais variadas tonalidades. Não importava muito onde se colocavam as coisas, aliás quanto mais coisas tivesse melhor, o que valia era a cor e a variedade da decoração! Bem tradicional e cultural.

Na casa dos meus tios e avós, a árvore durante muito tempo era um pinheiro natural e isso implicava irmos buscar ao sítio (do costume) e escolher aquela que teria as proporções certas, o tamanho perfeito e que serviria como tela para as cores daquele ano. Agora pensem transportá-lo num Mini Clássico? É tão hilariante como podem estar a imaginar.

Depois do Pantone seleccionado, após todo um processo de decisão, seguia-se todo um trabalho de engenharia para perceber onde se ia colocar cada bola ou medir ao centímetro cada bocadinho de luz para garantir um trabalho exímio digno de um prémio Nobel de melhor árvore de Natal, se isso existisse.

Já mais velha, e numa altura em que já ligava menos ao Natal, acabei a iluminar uma planta e pôr uma decoração natalícia espalhada pela casa para dar mais ânimo e ver se entrava no espírito da coisa.

Felizmente tive várias experiências diferentes mas que, em momento algum, não diminuíram o meu entusiasmo na altura de montar a árvore de Natal. Com a idade a magia foi-se perdendo, mas não há nada mais bonito do que ver uma casa cheia de cor e brilho (nem quero imaginar a conta da eletricidade no final do mês 😱).

Ainda assim, a memória mais bonita que tenho de todo o processo das árvores de Natal é o momento em que se coloca a estrela no topo da nossa obra-prima. É um momento de realização maravilhoso e faz-nos sentir extremamente satisfeitos com a escultura que vai estar de pé, pelo menos, no próximo mês em nossa casa.

Ou pelo menos… é assim que acredito que as pessoas se sentem, pois eu nunca consegui colocar o raio da estrela lá em cima, nem com um escadote, por mais que me esforce. Mas nunca é demais sonhar!

Até ao próximo episódio!
Facebook | Instagram
Pat, a Fun Sized |  Sofia, a Ilustradora

Anúncios
Patricia Fernandes

Miúda de 25 anos, apaixonada por música e redes sociais - com um affair em jornalismo. Podem encontrar-me, com frequência, em concertos ou num café a falar de música.

O que achaste deste artigo? Partilha connosco!

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.