By: Sofia Viães

Episódio 2: Raios dos Sacos

É oficial – este espaço está lançado e disponível para o mundo; e, como seria de esperar, este segundo episódio vai falar dos problemas de pessoas extremamente pequenas (Incrível, não é?).

A vida dos pequenitos não é nada fácil… Tudo é feito a pensar em pessoas extraordinariamente altas (ok… tudo para nós é “extraordinariamente alto”), ao ponto de qualquer pessoa parecer mais alta que o maior edifício do mundo, o Burj Khalifa; que nos leva à ideia de que tudo o que nós, minions da vida real, fazemos se torna só e apenas parvo.

Pensando bem, se fossemos um cão eramos, provavelmente, uns Pugs ou, na gíria do fast-food, eramos os Happy Meal. É também por isso, que tudo o que parece “vulgar” para um ser humano de altura considerável se torna absurdamente colossal para uma pessoa de 1,47m – não fossemos as formiguinhas da sociedade humana, os pinipons para os bonecos ou mesmo o Smart para os carros.

Ora vejamos, uma prática que qualquer pessoa de uma sociedade consumista adora: ir às compras. Seja por que motivo for, todos o fazemos: para aliviar stress, por ser comprador compulsivo ou (imagine-se!) há quem vá às compras por necessidade – a verdade é que todos vamos e é algo que até fazemos com frequência.

O principal problema são os sacos, sim senhores, os raios dos sacos – de plástico, papel ou pano, não há nenhum saco que seja dignificado nas minhas mãos minúsculas. A forma como um mero saco de plástico se parece para uma pessoa de dimensões reduzidas é ridícula.

Queria fazer uma comparação aqui mas não estou a conseguir o gancho certo.

Um saco dito “normal” é, para nós, um saco gigante e isso implica ter de o arrastar pelo chão porque não há qualquer forma confortável ou exequível de o segurar de forma digna. É um facto – todos os sacos ficam ridículos nas mãos de uma pessoa minúscula – até aqueles sacos microscópicos quando compramos uns brincos numa Parfois ou um disco na Fnac, até esses são absurdos nas nossas mãos.

Sociedade, toda a ideia gira e engraçada de transportar um saco em condições decentes é uma luta inglória. Nós, pequenos, nunca vamos parecer cool com um saco nas mãos. É cientificamente impossível – e eu sou a prova disso.

Revisão: Mitchel Molinos

Publicado por

Patricia Fernandes

Miúda de 25 anos, apaixonada por música e redes sociais - com um affair em jornalismo. Podem encontrar-me, com frequência, em concertos ou num café a falar de música.

O que achaste deste artigo? Partilha connosco!

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.